top of page

Imagens do "Estado do Brasil": Frans Post (1612-1680) e Nicolas-Antoine Taunay (1755-1830)

Bárbara Dantas


Se quiser citar, tê-lo como referência, usar:

DANTAS, Bárbara. Imagens do "Estado do Brasil": Frans Post (1612-1680) e Nicolas-Antoine Taunay (1755-1830). In: AMARAL, Weverton Bragança do; COTRIM, Irlan de Sousa; PEREIRA, Luiz Fernando Soares; PINA, Edjalma Nepomoceno. Democracia, vivências políticas e os limites da liberdade. Vitória-ES: Antíteses, 2023, pp. 601-612. Internet: https://www.barbaradantas.com/post/imagens-do-estado-do-brasil-frans-post-1612-1680-e-nicolas-antoine-taunay-1755-1830


RESUMO: Os europeus receberam imagens da colônia portuguesa na América, o Brasil, ainda no século XVI. Eram desenhos e gravuras com imagens idealizadas ou alegóricas dos povos nativos e da natureza. No XVII, o Nordeste brasileiro recebeu artistas que possuíam a capacidade técnica e a determinação estatal de representar com a maior similaridade possível tanto homens como os ambientes nos quais viviam. Entre eles estava o jovem Frans Post, cuja missão era registrar visualmente as diversas regiões que formavam a posse dos holandeses na América, tomada aos portugueses pela guerra de conquista, mas que retornou aos antigos donos anos depois. Post não abandonou os temas brasileiros, mesmo após seu retorno à Europa, cuja extensa produção se manteve em gravura e em pintura. Com o passar das décadas e dos séculos, as obras de Post se espalharam pelos países europeus - entre outros, Áustria, Inglaterra e França. Os franceses receberam muitas obras do pintor holandês, abrigadas no Louvre, em Versalhes e em coleções particulares de nobres e aristocratas, expostas nas paredes dos castelos rurais ou dos hôtels urbanos. Nas décadas finais do século XVIII, um artista parisiense seguia a passos largos o caminho para se tornar um pintor acadêmico, logo, pintor de Estado. Nicolas-Antoine Taunay apreciava a pintura holandesa de paisagens desde sua época de formação. Após ingressar na Academia de Artes, apesar de estar submetido ao modelo clássico, ele não se afastou da tradição artística holandesa, visível em sua produção brasileira. Taunay chegou ao Rio de Janeiro em 1816, onde viveu como pintor pensionista de d. João. Ele permaneceu na cidade até 1821, quando retornou à Paris. Entre suas atribuições no Brasil, exigidas tanto pela Academia Francesa quanto pelo monarca português, estava a produção de pinturas com imagens da nova sede do Império de d. João. Assim como Post, Taunay representou o Brasil a partir do mecenato estatal. Ambos representaram a arquitetura, a topografia e as pessoas, inclusive, os escravos negros. Como grande parte das pinturas feitas por Taunay no Rio, em muitos aspectos, remetem à herança da arte holandesa e a Post, este trabalho une iconográfica e simbolicamente esses pintores separados temporal e geograficamente. Propósito alcançado pelo método de comparação entre imagens e segundo as normativas da longa duração histórica.   

PALAVRAS-CHAVE: Frans Post; Nicolas-Antoine Taunay; pintura de paisagem; América portuguesa; iconografia.


RESUMEN: Los europeos recibieron imágenes de la colonia portuguesa en América, Brasil, en el siglo XVI. Eran dibujos y grabados con imágenes idealizadas o alegóricas de los pueblos originarios y de la naturaleza. En el siglo XVII, el Nordeste brasileño recibió artistas que tenían la capacidad técnica y la determinación estatal para representar con la mayor similitud posible tanto a los hombres como a los ambientes en que ellos vivían. Entre ellos se encontraba el joven Frans Post, cuya misión era registrar visualmente las distintas regiones que formaban la posesión de los holandeses en América, arrebatadas a los portugueses durante la guerra de conquista, pero que regresaron a sus antiguos propietarios años después. Post no abandonó la temática brasileña, incluso después de su regreso a Europa, cuya amplia producción se mantuvo en el grabado y en la pintura. Con el paso de las décadas y los siglos, las obras de Post se extendieron por los países europeos, entre otros, Austria, Inglaterra y Francia. Los franceses recibieron numerosas obras del pintor holandés, alojadas en el Louvre, en Versalles y en colecciones privadas de nobles y aristócratas, expuestas en las paredes de castillos rurales o hôtels urbanos. En las últimas décadas del siglo XVIII, un artista parisino dio grandes pasos hasta convertirse en pintor académico y, por tanto, en pintor estatal. Nicolas-Antoine Taunay apreciaba la pintura de paisajes holandesa desde su época de formación. Luego que ingresó en la Academia de Arte, a pesar de estar sujeto al modelo clásico, no se alejó de la tradición artística holandesa, visible, incluido, en su producción brasileña. Taunay llegó a Río de Janeiro en 1816, donde vivió como pintor pensionado de D. João. Él permaneció en la ciudad hasta 1821, cuando regresó a París. Entre sus funciones en Brasil, exigidas tanto por la Academia francesa como por el monarca portugués, estaba la producción de pinturas con imágenes de la nueva sede del Imperio de D. João: Al igual que Post, Taunay representó a Brasil a través del patrocinio estatal. Ambos representaban arquitectura, topografía y personas, incluidos los esclavos negros. Como la mayoría de las pinturas realizadas por Taunay en Río, en muchos aspectos, hacen referencia a la herencia del arte holandés y a Post, este trabajo une iconográfica y simbólicamente a estos pintores separados temporal y geográficamente. Finalidad alcanzada mediante el método de comparación entre imágenes y según las normas de larga duración histórica.

PALABRAS-CLAVE: Frans Post; Nicolas-Antoine Taunay; pintura de paisaje; América portuguesa; iconografía.


ABSTRACT: Europeans received images of the Portuguese colony in America, Brazil, in the 16th century. They were drawings and engravings with idealized or allegorical images of native people and nature. In the 17th century, the Brazilian Northeast received artists who had the technical capacity and state determination to represent both men and the environments in which they lived with the greatest possible similarity. Among them was the young Frans Post, whose mission was to visually record the various regions that formed the possession of the Dutch in America, taken from the Portuguese during the war of conquest, but which returned to the former owners years later. Post did not abandon Brazilian themes, even after his return to Europe, whose extensive production remained in engraving and painting. As the decades and centuries passed, Post's works spread across European countries - among others, Austria, England and France. The French received many works by the Dutch painter, housed in the Louvre, in Versailles and in private collections of nobles and aristocrats, displayed on the walls of rural castles or urban hôtels. In the final decades of the 18th century, a Parisian artist took great strides to become an academic painter, and therefore a state painter. Nicolas-Antoine Taunay appreciated Dutch landscape painting from his formative days. After joining the Academy of Arts, despite being subject to the classical model, he did not stray from the Dutch artistic tradition, visible in his Brazilian production. Taunay arrived in Rio de Janeiro in 1816, where he lived as a painter who was a pensioner of D. João. He remained in the city until 1821, when he returned to Paris. Among his duties in Brazil, required by both the French Academy and the Portuguese monarch, was the production of paintings with images of the new headquarters of the Empire of D. João. Like Post, Taunay represented Brazil through state patronage. Both represented architecture, topography and people, including black slaves. As most of the paintings made by Taunay in Rio, in many aspects, refer to the heritage of Dutch art and Post, this work unites iconographically and symbolically these temporally and geographically separated painters. Purpose achieved by the method of comparison between images and according to the norms of long historical duration.

KEY WORDS: Frans Post; Nicolas-Antoine Taunay; landscape painting; Portuguese America; iconography.


RÉSUMÉ: Les Européens ont reçu des images de la colonie portugaise en Amérique, au Brésil, au XVIe siècle. Il s'agissait de dessins et de gravures représentant des images idéalisées ou allégoriques des autochtones et de la nature. Au XVIIe siècle, le Nord-Est brésilien a accueilli des artistes qui avaient la capacité technique et la détermination étatique de représenter avec la plus grande similitude possible aussi bien les hommes que les environnements dans lesquels ils vivaient. Parmi eux se trouvait le jeune Frans Post, dont la mission était d'enregistrer visuellement les différentes régions qui constituaient la possession des Hollandais en Amérique, prises aux Portugais pendant la guerre de conquête, mais qui revinrent aux anciens propriétaires des années plus tard. Post n'abandonna pas les thèmes brésiliens, même après son retour en Europe, dont l'importante production resta dans la gravure et la peinture. Au fil des décennies et des siècles, les œuvres de Post se sont répandues dans les pays européens, notamment en Autriche, en Angleterre et en France. Les Français ont reçu de nombreuses œuvres du peintre hollandais, conservées au Louvre, à Versailles et dans des collections privées de nobles et d'aristocrates, exposées sur les murs de châteaux ruraux ou d'hôtels urbains. Dans les dernières décennies du XVIIIe siècle, un artiste parisien fait de grands progrès pour devenir peintre académique, et donc peintre d'État. Nicolas-Antoine Taunay appréciait la peinture de paysage hollandaise dès ses années de formation. Après avoir rejoint l'Académie des Arts, bien qu'il soit soumis au modèle classique, il ne s'écarte pas de la tradition artistique néerlandaise, visible dans sa production brésilienne. Taunay arrive à Rio de Janeiro en 1816, où il réside comme peintre pensionné de D. João. Il resta dans la ville jusqu'en 1821, date à laquelle il revint à Paris. Parmi ses tâches au Brésil, exigées à la fois par l'Académie française et par le monarque portugais, figurait la production de peintures avec des images du nouveau siège de l'Empire de D. João. Comme Post, Taunay représentait le Brésil grâce au patronage de l'État. Tous deux représentaient l’architecture, la topographie et les gens, y compris les esclaves noirs. Comme la plupart des peintures réalisées par Taunay à Rio font, à bien des égards, référence à l'héritage de l'art Néerlandais et de Post, cette œuvre unit iconographiquement et symboliquement ces peintres séparés temporellement et géographiquement. Objectif atteint grâce à la méthode de comparaison entre images et selon les normes de la longue durée historique.

MOST CLÉS: Frans Post; Nicolas-Antoine Taunay; peinture de paysages; Amérique portugaise; iconographie.


1. Introdução

 

Quando se trata de obras de arte, um dos meios mais tradicionais de análise é o método criado pelo historiador da arte alemão Erwin Panofsky (1892-1968), descrito no Capítulo 1, “Iconografia e Iconologia”, de seu livro Significado nas artes visuais (1955). Sua metodologia é dividida em três fases (descrição pré-iconográfica, análise iconográfica e iconologia), cuja interseção entre uma e outra durante a análise escrita de uma imagem deve ocorrer de forma natural, alternando o exame dos conteúdos formais e das mensagens simbólicas.


Panofsky descreveu seu método: “Iconografia é o ramo da história da arte que trata do tema ou mensagem das obras de arte em contraposição à sua forma. Tentemos, portanto, definir a distinção entre tema ou significado, de um lado, e formas, de outro” (PANOFSKY, 1976, pp. 47-88).


A proposta metodológica de Panofsky foi reafirmada como válida e como fundamento para as pesquisas hodiernas pelo historiador francês Roger Chartier, no seu livro À beira da falésia, de 1998 (CHARTIER, 2002, p. 33). Mesmo quando Panofsky não é lembrado nominalmente, observa-se o recurso ao seu método e termos, a exemplo do pesquisador da Micro História, o italiano Carlo Ginzburg e seus exames entre imagens separadas no espaço-tempo, mas envolvidas formal ou simbolicamente (GINZBURG, 2007, pp. 53-78).


Quando o assunto é a relação entre a beleza e o mundo, para o escritor italiano Umberto Eco (1932-2016), desde o Renascimento, “a estética torna-se norma de vida. Não se preocupa mais em fornecer uma justificativa teológica do agradável: pratica-se o prazer como uma das formas eficazes da religiosidade natural” (ECO, 1989, p. 186). De fato, o renascentista italiano Giorgio Vasari (1511-1574), admoestou no compêndio Vidas dos Artistas (1550), que o bom artista “consegue pintar coisas que parecem vivas” (VASARI, 2011, p. 501). Sem olvidar a glorificação de Deus, trata-se de outra exaltação: a apologia de toda a plenitude do mundo ao nosso redor por meio de pinturas.


No tocante às pinturas que mostram a natureza, são conhecidas como pinturas de paisagens; se representam cidades, é comum denominá-las como pinturas de vistas. De acordo com a tradicional divisão entre os tipos de pintura - gênero, histórica, natureza-morta etc. - ambas são conhecidas como pinturas de paisagens.

Tanto Frans Post (1612-1680) quanto Nicolas-Antoine Taunay (1755-1830) criaram telas com pinturas de paisagens no Brasil. No século XVII, Post fez quadros de diversas localidades do Nordeste. No século XVIII brasileiro, não há indícios desse tipo de produção. E, no século XIX, Taunay foi o primeiro a realizar telas com pinturas de paisagens da cidade e dos arredores do Rio de Janeiro. Portanto, segue-se a exortação de Ginzburg de “ampliar o quadro da pesquisa” (GINZBURG, 2007, p. 29) para encontrar qual elemento liga quadros de dois artistas de centúrias e origens distintas, mas que pintaram imagens do “Estado do Brasil” (RAMINELLI, 2008, p. 36), nome jurídico-administrativo integrado ao sistema colonial português.

 

II. Frans Post e a Holanda do Século de Ouro

 

No século XVII, os artistas holandeses foram os precursores de um novo olhar sobre o mundo, uma percepção que tornou seus quadros de paisagens mais naturais, ou seja, ligados à necessidade de representar visual e artisticamente a natureza e as cidades, cujo viés documental associava-se à criatividade artística e à curiosidade dos clientes.


Enquanto ocorria o Renascimento Italiano, entre os séculos XV e XVI, as Províncias Unidas dos Países Baixos - hoje, Holanda - também começaram a se distinguir nas Artes. Ainda no século XV, nota-se a presença das pinturas de paisagens realizadas por artistas holandeses: as paisagens de fundo nos quadros de Geertgen tot Sint Jans (1465-1495). Na interseção entre os séculos XV e XVI, destaca-se a paisagem vista a partir de uma janela aberta na tela de Jacob Cornelisz (1470-1533). No século XVI, Hieronymus Bosch (?-1516) pintou paisagens fantasiosas e Pieter Brughel (?-1569) representou em pintura paisagens rurais.


No século XVII, a pintura de paisagem holandesa se destacou com pintores como Rembrandt van Rijn (1606-1669) e Johannes Vermeer (1632-1675), por isso, é conhecido como o Século de Ouro holandês (DANTAS, 2012). Frans Post foi contemporâneo - e, provavelmente, frequentador dos mesmos círculos profissionais - desses e de outros famosos pintores, pois foi o igualmente renomado Frans Halls (1582-1666) quem pintou o único retrato de Post que se tem notícia (HALLS, 2022).


Figura 1 - Frans Post

Retrato de Frans Post

Frans Halls. Óleo sobre tela, c. 1655, Holanda. Worcester Art Museum - Estados Unidos.  

 

Uma das pinturas brasileiras de Frans Post, realizada em 1638, demonstra que sua “caixa de ferramenta mental” (BAXANDALL, 2006, p. 16) possibilitou a pintura de reflexos na água, similar à “mais célebre paisagem urbana do século XVII” [tradução da autora] (VERMEER, 2022), a Vista de Delft, de Johannes Vermeer.

 

Figura 2 - View of Delft

Vista de Delft by Vermeer

Johannes Vermeer. Óleo sobre tela, c. 1660-1661. Mauritishuis (Casa Maurício de Nassau) - Holanda.


 Cidade Frederica na Paraíba by Frans Post

Frans Post. Óleo sobre tela, 1638. Coleção particular.

 

A obra de Vermeer representa com tal realismo a vista de sua cidade que alguns dos prédios ali presentes ainda hoje existem como estão na pintura de 1660 (Vermeer, 2022). Nesse viés, não apenas essa pintura que Post fez da Paraíba é motivo de destaque entre os especialistas, de modo geral, suas obras realizadas no Brasil representam de forma verossimilhante as regiões que ele pintou (LAGO, 2005, p. 18).

 

III. Frans Post e o Brasil

 

Ainda no século XVI, os europeus receberam imagens da colônia portuguesa na América, o Brasil. Eram desenhos e gravuras com imagens idealizadas ou alegóricas dos povos nativos e da natureza. Essas imagens geraram uma infinidade de especulações a respeito dessa exótica terra onde, segundo o Ensaio (1550) de Michel de Montaigne (1533-1592), viviam os índios “canibais”, também conhecidos na Europa como “brifilians” [brasileiros] (DANTAS; RIBEIRO, 2023, p. 372).


Logo que souberam da existência dessas terras na América, os holandeses começaram a percorrer o litoral brasileiro para explorar as matérias-primas, buscar pedras preciosas ou estabelecer colônias. Por isso, nos anos 1600, além da sujeição aos espanhóis durante a União Ibérica (1580-1640), os portugueses tiveram que lidar com as invasões dos holandeses no Nordeste brasileiro (FREYRE, 2004, p. 73).


A Holanda invadiu duas vezes o Nordeste: a primeira investida, na Baía de Todos os Santos, foi logo desbaratada pelos portugueses. A segunda invasão, por sua vez, teve maior sucesso e originou uma colônia na região que hoje engloba os Estados de Pernambuco, Alagoas, Ceará, Paraíba e Maranhão, que foi regida pela Companhia das Índias Ocidentais: essa companhia era formada por poderosos mercadores neerlandeses, como eram conhecidos os holandeses da Modernidade; as Américas também receberam a denominação de Índias Ocidentais, em oposição às Índias Orientais - a própria Índia, no continente asiático (DANTAS; RIBEIRO, pp. 364-365).


De 1630 a 1654, a companhia de comércio holandesa monopolizou todos os níveis da produção e distribuição do açúcar (LAGO, 2005, p. 15). Sob a exploração do braço escravo trazido da África, as plantations - grandes fazendas monocultoras - de cana-de-açúcar eram as principais atividades econômicas (FREYRE, 2004, p. 93).


Indicado como governador-geral do Brasil holandês, o conde Maurício de Nassau (1604-1679) selecionou uma comitiva científica e artística para acompanhá-lo, sua intenção era obter registros documentais (científicos e geográficos) das possessões sob sua autoridade (LAGO, 2007, p. 26). Para integrar sua comitiva, Nassau encarregou Albert Eckhout (1610-1665) para registrar em pintura os costumes, a fauna e a flora - entre seus quadros mais famosos está Mulher africana (ECKHOUT, 2016). 


Para registrar as cidades, a topografia e as fortificações, Nassau trouxe consigo Frans Post. Desde a estada de Post no Nordeste brasileiro, de 1637 a 1644, o Brasil nunca mais deixou de ser a temática de suas obras, pois ele se dedicou a desenhar e pintar o que viu in loco. Bia Corrêa do Lago afirmou que “nenhum elemento individual era mentiroso ou inventado” (LAGO, 2010, pp. 16-18), visto que Post repetiu muitas figuras - como escravos, palmeiras, o abacaxi e até o tatu -, mas tudo isso foi retirado do que realmente viu em suas viagens com Maurício de Nassau pelas regiões do Nordeste.


Afonso Arinos de Melo Franco (1905-1990) afirma que Post e Eckhout foram os “precursores da pintura brasileira” e da história das Artes Plásticas no Brasil porque marcaram “as primeiras tentativas artísticas para a fixação de paisagens, animais e figuras humanas estranhas ao ambiente europeu” (FRANCO, 2000, p. 116).


O apontamento de Melo Franco remete à defesa de Chartier quanto ao exercício de um “habitus”, pois não se restringe à sua peculiaridade, visto que depende do lugar no qual atua; se o “hábito” muda de campo, continua o mesmo, mas produzirá efeitos diferentes (CHARTIER; BOURDIEU, 2012, p. 65). Isso significa que a tradição e a técnica artística dos holandeses produziram no Brasil resultados sem precedentes, só repetido quase dois séculos depois.


Segundo Ricardo Brennand (1927-2020), ex-presidente do Instituto em Recife que possui a maior coleção do mundo de obras Frans Post, ele “foi o primeiro paisagista do Novo Mundo” (LAGO, 2010, p. 1). Por muito tempo, foi o único.

 

IV. Nicolas-Antoine Taunay, entre a França e o Brasil

 

Os especialistas concordam que a produção brasileira do pintor francês Nicolas-Antoine Taunay (1755-1830) foi a mola propulsora para o estabelecimento da pintura de paisagem como gênero artístico na época da fundação da Academia de Artes do Rio de Janeiro, a primeira do Brasil, entre 1816 e 1826 (ALENCAR, 2018, p. 2450).


Taunay ingressara na renomada Academia de Artes de Paris em 1784, época na qual também viajou para a Academia Francesa em Roma para estudar os fundamentos clássicos e renascentistas da arte acadêmica italiana e francesa (DANTAS, 2022, p. 2). Mas, ele começou a pintar paisagens bem antes disso. E suas referências não vinham da Itália ou sequer da França, mas da arte holandesa. Como demonstra a única cópia conhecida que Taunay fez a partir de um “mestre” - alcunha dada aos artistas que se tornaram muito famosos. O quadro que Taunay copiou é de outro pintor holandês do Século de Ouro, inclusive, coetâneo de Frans Post: Nicolas Berghem (1620-1683), cujas obras faziam sucesso em Paris na época de Taunay (MIGLIACCIO, 2008, p. 55).


A pesquisadora francesa Claudine Lebrun Jouve (2003, p. 406) fez um levantamento completo da vida e obra de Nicolas-Antoine Taunay. Nele, observa-se que o registro do inventário de 1831, um ano após o falecimento do artista, apresenta 44 águas-fortes de Berghem, além de outras gravuras de artistas holandeses do século XVII: Karel Dujardin (1626-1678) e Philips Wouwerman (1619-1668), entre outros.


Figura 4 - Le Gué

Le Gué - Louvre

Nicolaes Pietersz Berchem. Óleo sobre madeira, 1658. Louvre.


Figura 5 - Travessia de riacho, cópia de um quadro de Berghem

Travessia de um riacho by Nicolas-Antoine Taunay - Louvre

Nicolas-Antoine Taunay. Óleo sobre madeira, s/d. Louvre (LEBRUN JOUVE, 2003, p. 27).

 

Logo, o pintor de paisagens que sabia fazer quadros segundo o modelo holandês, italiano ou francês, desembarcou na cidade do Rio de Janeiro em 1816 e permaneceu ali até 1821.  Como experiente pintor da Corte e do Estado francês, Taunay e outros colegas europeus se tornaram pensionistas da monarquia portuguesa chefiada por D. João (1767-1826), príncipe regente estabelecido no Brasil desde que fugiu do exército napoleônico que invadiu Portugal em 1807 (SLEMIAN; PIMENTA, p. 48).


Tanto por sua posição como pintor da realeza portuguesa quanto devido a sua ligação com a Classe de Belas-Artes do Instituto de França, Taunay tinha como obrigação transformar em pintura as paisagens da capital americana do Império português. Mesma função de Post ao vir para o Brasil com Nassau.


Figura 6 - Autorretrato

Nicolas-Antoine Taunay. Autorretrato - MNBA/RJ

Nicolas-Antoine Taunay. Desenho c. 1800, Paris. Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro (SCHWARCZ, 2008, p. 1).

 

Pintor acadêmico por profissão, mas com vasta clientela particular, Taunay não se ateve a um movimento artístico, como o neoclássico ou o pitoresco (LAGO, 2003, p. 6). Ele fez, inclusive, autorretratos, como vimos na página anterior.


Em relação ao conjunto da obra de Taunay, a sua produção de quadros de paisagens brasileiras revela um artista maduro, seguro de seu potencial técnico e de sua vivência no âmbito das Artes. Sobretudo, demonstra os “diversos gêneros” (SCHWARCZ, 2008, p. 302) que ele escolheu para representar um Estado do Brasil bem diferente daquele que Post transformou em quadros. Porém, nem tudo mudara naqueles séculos que os separavam.

 

V. O Brasil de Post e de Taunay

 

Post foi primeiro um pintor do Estado, quando trabalhou para o conde de Nassau. Quando voltou para Haarlem, sua cidade natal na Holanda, manteve-se como pintor da Corte produzindo quadros, desenhos e gravuras conforme o gosto da sua clientela de altos burgueses e aristocratas, porém, sem esquecer-se dos elementos visuais brasileiros que ele guardou nos seus “arquivos de memória” (SILVA, 2014, pp. 60, 70) - expressão do historiador da arte alemão, Aby Warburg (1866-1929).


Não pensemos que a Corte era um privilégio das monarquias, pois ela estava igualmente presente tanto ao redor do alto clero católico quanto dos altos dignitários que governavam as províncias republicanas neerlandesas (ELIAS, 2001).

Taunay, ao contrário, primeiro foi pintor da Corte, com grande clientela entre nobres e ricos comerciantes que apreciavam suas obras inspiradas no Rococó, no Barroco ou na herança da arte holandesa. Após 1784, tornou-se pintor do Estado e pintou quadros neoclássicos, históricos, religiosos e até naturezas-mortas. Porém, observa-se que o modelo holandês lhe foi precioso, porque ele nunca o abandonou.


Em conformidade com o Paradigma Indiciário proposto por Ginzburg (1989, pp. 143-179), um “indício” da herança holandesa em pinturas de Taunay é a presença de um tipo de iconografia que funciona como elemento estrutural do quadro. De modo geral, esse recurso iconográfico/estruturante era comum entre os artistas que trabalhavam segundo o modelo holandês e, de modo específico, é largamente encontrado nas obras com temática brasileira da lavra de Frans Post. Trata-se do repoussoir. No quadro de Post, Um Claustro dos Padres Capuchinhos [e] A Casa de um Fidalgo Português (c. 1650-1655), três árvores altas - entre elas, um coqueiro - estão no espaço lateral do segundo plano para dar maior “efeito de profundidade” à paisagem que se descortina logo atrás. Um artifício que funciona como uma “cortina teatral” que se abre para apresentar a obra, segundo o pesquisador brasileiro Pedro Corrêa do Lago (LAGO, 2005, p. 20).


Nas reproduções abaixa, observa-se o uso do repoussoir em uma obra brasileira de Taunay: Vista da estrada de Quebra Cangalha, Alto da Boa Vista (c. 1820). Enquanto no quadro de Post as árvores demarcadoras de planos pictóricos estão à esquerda, a grande árvore de Taunay está à direita do primeiro plano. Ambas têm a mesma função.


 Um Claustro dos Padres Capuchinhos [e] A Casa de um Fidalgo Português by Frans Post

Frans Post. Óleo sobre tela, c. de 1650, Holanda. Louvre.


Figura 8 -  Vista da estrada de Quebra Cangalha, Alto da Boa Vista

Vista da estrada de Quebra Cangalha by Nicolas-Antoine Taunay

Nicolas-Antoine Taunay. Óleo sobre tela, c. 1820, Rio de Janeiro. Coleção particular - São Paulo. (LAGO, 2008, pp. 150-151) 

 

Após essas considerações, fica a pergunta: teria Taunay visto alguma pintura ou reprodução das obras com temas brasileiros de Frans Post?


É provável, pois há indícios de que os franceses “redescobriram” as pinturas de Frans Post na época de Taunay (LAGO, 2010, p. 125).

 

VI. O provável encontro de Taunay com as obras de Post

 

Com o passar das décadas e dos séculos, as obras com temas brasileiros de Post se espalharam pelos países europeus - entre outros, Áustria, Inglaterra e França. Os franceses receberam muitas obras do pintor holandês, abrigadas no Louvre, em Versalhes e em coleções particulares de nobres e aristocratas, expostas nas paredes dos castelos rurais ou dos hôtels urbanos.


Desde que veio ao Brasil, Nassau já pensava em usar as pinturas de Post e de Eckhout como ferramentas políticas, haja vista que, além de enaltecer suas conquistas militares e sua administração, as obras serviriam como objetos exóticos muito apreciados como presentes a futuros aliados políticos (LAGO, 2005, p. 12).


O que não se afasta das ambições de Nassau, pois tinha parentesco com dinastias europeias. Observa-se mais um exemplo de que o mecenato artístico foi uma forma de prestígio nas Cortes, afinal a proteção aos artistas “implicava fazer da curiosidade cultural um ato político” (SCHWARCZ, 2002, p. 71, 74-75).


Além de sua produção realizada durante sua temporada no Brasil, após seu retorno à Holanda, Post pintou centenas de obras com temas brasileiros que foram vendidas a clientes, permaneceram com a sua família ou chegaram aos mercados de arte europeus (LAGO, 2005, pp. 102, 106). Um dos motivos desse sucesso ainda em vida talvez seja o fato de que em seus desenhos, gravuras e pinturas a óleo de grandes dimensões Post realizou as composições iconográficas bem ao gosto do público consumidor de suas obras: árvores e animais exóticos logo no primeiro plano, além das figuras mais solicitadas: “muitos escravos negros” (LAGO, 2010, p. 18).


Em 1679, Nassau estava com dificuldades financeiras e idoso, por isso, cultivou a esperança de receber uma vultosa recompensa pela coleção de pinturas brasileiras que possuía. Ele ofertou ao rei francês Luís XIV (1638-1715) todas as obras de Post e de Eckhout que conseguiu adquirir, além daquelas que trouxe do Brasil. O soberano francês ficou encantado e, naquele mesmo ano, promoveu uma exposição pública dessas obras no Louvre. Após esse evento, as obras foram para os acervos das coleções reais do Louvre e esquecidas por lá. Com o passar dos anos, segundo os inventários que se seguiram, algumas dessas obras já não constavam nos registros, ou seja, desapareceram ou sucumbiram ao rigor do tempo (FRANCO, 2000, pp. 117-118).  


Se acompanharmos o destino de algumas obras de Post, a partir de meados do século XVIII, um desconhecido artista francês trouxe novamente à tona o nome do afamado pintor holandês do século XVII ao copiar em guache alguns dos quadros de Post que ele viu, provavelmente, no Castelo de Chaville. Em 1765, Thiérry, um aquarelista amador, realizou cópias em aquarela com primor de miniaturista. Nelas, deu-se ao luxo de modificar os céus e torná-los mais sublimes, bem ao gosto artístico do momento. Mas o resto da composição iconográfica, de modo geral, não foi modificada e segue a proposta de Post da obra Cidade Frederica na Paraíba (LAGO, 2010, p. 31).


Muitas obras de Post continuaram em circulação, principalmente, pela França. Nos castelos de Vincennes e de Chaville, na própria Versalhes e muitas delas foram para o Louvre. Além disso, em 1802, ocorreu uma exposição das obras de Frans Post no Musée de la Marine, essa exposição teve um caráter mais documental que artístico (LEBRUN JOUVE, 2003, p. 98).


Como as obras de Post, bem como cópias em gravura e em desenho, estavam presentes na França, é provável que Taunay as tenha visto. Se, de fato, Taunay se deparou com obras de Post, podemos supor que ele assimilou muito do que viu das paisagens nordestinas do pintor holandês para construir suas próprias composições de paisagens montanhosas cariocas.


Como as obras mais difundidas de Frans Post foram aquelas que o pintor holandês produziu na Holanda - após seu retorno do Brasil - e no seu auge, é possível concordar com Lilia M. Schwarcz e com Claudine Lebrun Jouve de que há uma relação entre as obras desses pintores separados no tempo, mas não no espaço, já que muitas obras de Frans Post estavam próximas de Taunay nos séculos XVIII e XIX.  


Lilia M. Schwarcz (2008, pp. 135, 276) argumentou a favor da conexão entre a atividade pictural de paisagens holandesas e francesas, sobretudo, entre as obras de Post e as paisagens brasileiras de Taunay. Lebrun Jouve (2003, p. 79) foi mais direta em relação a Taunay: “Ele foi o segundo pintor a representar o Brasil, após Frans Post” (tradução da autora). Nesse aspecto, Jorge Coli (2013, p. 3) reafirma o que a pesquisadora francesa afirmou: “Taunay retomou o tema da paisagem, interrompido desde os tempos de Frans Post, e produziu admiráveis vistas do Rio de Janeiro”.

 

VI. Conclusão

 

Os registros de paisagens assumiram igual representação no tocante ao valor documental, artístico e político que carregavam. Pedro Corrêa do Lago e Claudine Lebrun Jouve notaram essa correlação entre ciência, política e arte nas obras de Post e de Taunay. Ambos como artistas que descreveram as vistas urbanas e campestres das regiões que visitaram. Eles transformaram suas paisagens em imagens topográficas e registros etnográficos, sendo o repoussoir apenas um entre muitos elementos iconográficos que ligam os dois artistas que realizaram pinturas de paisagens brasileiras segundo o modelo fornecido pela arte holandesa.

 

VII. Fontes

 

ECKHOUT, Albert. Enciclopédia Itaú Cultural. 2016. Acesso em: 27 set. 2022.

VASARI, Giorgio. Vidas dos artistas. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

VERMEER, Johanes. View of Delft. Mauritishuis [Casa Maurício de Nassau] - Holanda. Acesso em: 27 set. 2022.

 

VIII. Bibliografia

 

BAXANDALL, Michael. Padrões de intenção. São Paulo: Companhia das letras, 2006.

CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a história entre incertezas e inquietude. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2002.

COLI, Jorge. “Fabricação e promoção da brasilidade: arte e questões nacionais.” In: Perspective, ano 2, 2013, pp. 2-11.

DANTAS, Bárbara. Rembrandt e a Holanda do século XVII. VIII Semana Acadêmica do curso de História da UFES (Universidade Federal do Espírito Santo). Vitória, 2012. Acesso em: 27 set. 2022.

______. Nicolas-Antoine Taunay (1755-1830) e o Revival Renascentista na França. Revista Vozes dos Vales: Publicações Acadêmicas da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, ano XI, n. 22, UFVJM - Minas Gerais, out. 2022, pp. 1-20. Acesso em: 10 nov. 2022.

______; RIBEIRO, Luiz Cláudio M. “Figure de brifilians”: alegoria e utopia. In: COSTA, Ricardo da (org.). Mirabilia Journal 36. Rhythms, expressions, and representations of the body. From the Ancient World to the Baroque, 2023/1, p. 371-402. Acesso em: 26 jun. 2023.

ECO, Umberto. Arte e beleza na estética medieval. Rio de Janeiro: Globo, 1989.

ELIAS, Norbert. A Sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

FRANCO, Afonso Arinos de Melo. O índio brasileiro e a Revolução Francesa: as origens brasileiras da teoria da bondade natural. Rio de Janeiro: Topbooks, 2000.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala. São Paulo: Global, 2004.

GINZBURG, Carlo. Sinais: Raízes de um Paradigma indiciário.  In: GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

______. O fio e os rastros: verdadeiro, falso e fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

LAGO, Pedro Corrêa do. Preface. In: LEBRUN JOUVE, Claudine. Nicolas-Antoine Taunay (1755-1830). Paris: Arthena, pp. 5-8.

______. Frans Post. Milão-Itália: 5 Continents, 2005.

______. Taunay e o Brasil: obra completa (1816-1821). Rio de Janeiro: Capivara, 2008.

LAGO, Bia Corrêa. Frans Post e o Brasil holandês na Coleção do Instituto Ricardo Brennand. Rio de Janeiro: Capivara, 2010.

MIGLIACCIO, Luciano. Nicolas-Antoine Taunay: Pintura de vista e pintura de paisagem entre Europa e Brasil. In: DIAS, Elaine; SCHWARCZ, Lilia Moritz. Nicolas-Antoine Taunay no Brasil: uma leitura dos trópicos. Rio de Janeiro: Sextante, 2008, pp. 51-101.

PANOFSKY, Erwin. Significado nas artes visuais. São Paulo: Perspectiva, 1976.

RAMINELLI, Ronald. Viagens ultramarinas: monarcas, vassalos e governo a distância. São Paulo, Alameda, 2008.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. A longa viagem da biblioteca dos reis: do terremoto de Lisboa à independência do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

______. O sol do Brasil: Nicolas-Antoine Taunay e as desventuras dos artistas franceses na corte de d. João. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

SILVA, Nara Amélia da. Alegorias do estranho. 2014. 289 f. Tese (Doutorado em Artes Visuais) - Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014. Acesso em: 26 jun. 2023.

SLEMIAN Andrea; PIMENTA, João Paulo G. A corte e o mundo: uma história do ano em que a família real portuguesa chegou ao Brasil. São Paulo: Alameda, 2008.



Comentarios


bottom of page